Notícias

Jonathan coloca justiça no marcador

By Publicado março 20, 2017

Mortágua Futebol Clube 1 – 1 Clube Desportivo de Estarreja                                               

(Vitor Valente-RVR) A deslocação a Mortágua na 6ª jornada do Campeonato de Portugal PRIO, fase de manutenção, acabou por ser positiva para o CDE que assim foge aos lugares de descida directa, depois de estar em desvantagem no placard.

Numa primeira parte equilibrada, com as equipas a discutirem palmo a palmo cada metro de terreno na busca do melhor resultado, o zero a zero com que se atingiu o intervalo acabava por se justificar.

Ao maior poderio físico dos homens da casa respondia o CDE com melhor capacidade técnica, sobretudo pelo corredor direito, onde muitas vezes se juntavam Alex, Marmelo e André Silva, para além do lateral Brandão, que arrancou preciosos cruzamentos.

André Silva por muito pouco não chegou a um destes cruzamentos, de Luis Pedro, na cara da baliza, para empurrar para o fundo das redes. André Silva que viria ainda a assustar o adversário num cabeceamento, que saiu fraco e à figura do guardião, quando estava em posição privilegiada para concretizar.

Na segunda metade apareceu um Estarreja mais dominador, mas acabou por ser o Mortágua a adiantar-se no marcador na sequência de um pontapé de canto, batido por Rola, para a cabeça de Mauro que, nas alturas, desfeiteou João Oliveira.

Antes do CDE reagir, em novo lance de bola parada, Fábio esteve perto de repetir a gracinha, mas o cabeceamento saiu ligeiramente ao lado.

Já com Miguel em campo o Estarreja partiu para um verdadeiro ‘pressing’ e as oportunidades começaram a surgir. 

Alex foi travado na área de rigor e o árbitro entendeu tratar-se de simulação, admoestando-o com a cartolina amarela.

Na jogada seguinte foi a vez de João Vasco, do Mortágua, ver também a cartolina amarela por situação idêntica..

O jogo corria para o final com o Desportivo de Estarreja a intensificar o ataque à baliza adversária e Jonathan acabou por colocar justiça no marcador com um potente remate desferido à meia volta sem hipóteses de defesa.

Ainda havia tempo para mais, mas Alex, depois de ultrapassar o guarda-redes, perdeu ângulo de remate. 

Depois foi Gustavo a cabecear um palmo ao lado da baliza do Mortágua, em lance muito perigoso, e Tiago Pereira nos descontos ainda introduziu o esférico na baliza do CDE mas partira claramente de posição irregular e o lance já estava interrompido pelo árbitro do partida.

Sérgio Guelha, o juiz que viajou da Guarda, não teve nota positiva sobretudo pelos lances em que não assinalou os castigos máximos que de resto foram por demais evidentes nas duas áreas. 

Neste particular, no espaço de um minuto, procurando compensar o primeiro erro, acabou assim por cometer dois.